PROEX

PROEX

Pró-Reitoria de Extensão

Projeto de extensão garante melhores condições de trabalho para catadores de JP e é destaque na Expotec 2019

7 de novembro de 2019

Desde 2013 um projeto de extensão desenvolvido pelo Centro de Ciências Biológicas e Sociais Aplicadas (CCBSA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Câmpus V, em João Pessoa, tem propiciado dignidade, geração de emprego e renda, melhoria na educação, sustentabilidade e qualidade de vida aos catadores de materiais recicláveis do município. Intitulado “Mobilização, inclusão e formação de catadores/as de materiais recicláveis da cidade de João Pessoa: uma experiência necessária”, o projeto coordenado pela professora do curso de Ciências Biológicas, Fátima Araújo, tem realizado um conjunto de ações que melhoram a vida dos catadores.

Com seis anos de execução, o projeto surpreende pela perseverança dos catadores que se envolvem em todas as atividades. Mais de 700 trabalhadores da Capital estão cadastrados na iniciativa, sendo que, destes, cerca de 400 permanecem ativos participando das atividades. Eles participam de oficinas, palestras e recebem assessoramento dos alunos extensionistas na coleta seletiva, realizada nos bairros e, principalmente, nos eventos realizados em João Pessoa. No início, os trabalhos envolveram identificação, sensibilização, mobilização, formação e inclusão em associações e cooperativas de catadores de cinco comunidades: Vale das Palmeiras, Comunidade do Baixo Roger (área do antigo lixão da cidade), São Rafael, Mandacaru e Empasa, desenvolvendo atividades de encubação, assistência técnica e nucleação.

Em um dos galpões do Centro de Triagem e Coleta Seletiva da UEPB, eles receberam orientações e formações que melhoraram o trabalho de recolhimento dos resíduos sólidos. Essa ação inicial, já concluída, foi desenvolvida no intuito de fortalecer a participação em políticas públicas dos catadores de João Pessoa, incrementando a renda, adequando suas atividades às normas de saúde e segurança no trabalho, inserindo-os em políticas sociais, entre outros benefícios a partir do reaproveitamento dos materiais recicláveis descartados. Passados seis anos, o projeto cresceu e envolveu novos alunos e professores em suas ações.

Na fase atual, o projeto acompanha a coleta seletiva realizada pelo grupo “Acordo Verde”, ligado à Prefeitura de João Pessoa, bem como o trabalho realizado no aterro sanitário da Capital, além de outras iniciativas voltadas ao recolhimento dos resíduos sólidos. Os catadores fazem coleta, triam os resíduos, empacotam e destinam o material para a cadeia produtiva. Além de Fátima Araújo, participam atualmente da iniciativa, a professora Jacqueline Echeverría Barrancos, diretora do CCBSA; o professor Vancarder Brito; além de 10 estudantes extensionistas dos cursos de Relações Internacionais e Ciências Biológicas.

Professora Fátima ressalta que o projeto já mudou a vida de muitos catadores e contribuiu na formação dos estudantes. “Há um ganho por parte dos alunos envolvidos no projeto. A convivência com os catadores e com o público que eles orientam a fazer a coleta seletiva promove uma experiência enriquecedora do ponto de vista social e também acadêmico”, observa a docente. Segundo ela, o projeto fortalece o tripé ensino, pesquisa e extensão na UEPB, melhorando a formação acadêmica e promovendo o envolvimento com a comunidade, contribuindo também com a formação técnica e cidadã.

Destaque na Expotec 2019

Como fruto dos bons resultados da iniciativa, a equipe do projeto foi convidada a participar da 5ª Edição da Exposição Científica, Tecnológica e Cultural (Expotec), realizada entre os dias 30 de outubro e 1º de novembro, no Centro de Convenções de João Pessoa. O estande do Câmpus V foi um dos mais visitados. Através do projeto de extensão, todo o material reciclável depositado pelos visitantes em coletores apropriados foi recolhido pelos catadores. A coleta seletiva solidária foi realizada com a ajuda dos alunos extensionistas. No total, foram recolhidos mais de 700 kg de resíduos, que foram doados às cooperativas de catadores da Capital.

“A retirada de 700 kg de resíduos sólidos significa dizer que esta quantidade de material reciclável foi depositada no aterro sanitário, evitando que esses itens se acumulassem no solo por muitos anos, como é o caso das garrafas pet”, destaca professora Fátima que, junto com os alunos extensionistas do projeto, ministrou, na Expotec 2019, a oficina “Educação ambiental e coleta seletiva solidária” e proferiu as palestras “Educação ambiental e coleta seletiva” e “Fortalecendo a inclusão produtiva de mulheres na Paraíba: Economia solidária um novo jeito de trabalhar”, apresentando orientações a partir da experiência do projeto de extensão do Câmpus V.

Texto: Severino Lopes
Fotos: Divulgação