PROEX

PROEX

Pró-Reitoria de Extensão

Projeto de extensão da UEPB presta assistência à população vulnerável da Paraíba durante pandemia

20 de julho de 2020

Desde o início da pandemia da Covid-19, o projeto de extensão “Mobilização, inclusão e formação de catadores/as de materiais recicláveis da cidade de João Pessoa: uma experiência necessária”, vinculado ao Câmpus V da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), tem realizado diversas ações para prestar assistência sobretudo ao público atendido diretamente pela iniciativa: os catadores de materiais recicláveis de João Pessoa. Porém, através da parceria com diversas entidades públicas e privadas, o escopo de atuação do projeto tem sido ampliado e a estimativa é que cerca de 15 mil pessoas de João Pessoa, Campina Grande e entorno estejam sendo beneficiadas com as ações do projeto.

Financiado pelo Ministério do Trabalho e pela Secretaria de Economia Solidária do Governo Federal, o projeto de extensão da UEPB tem contado com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social (SEDHS) do Governo do Estado da Paraíba, Defensoria Pública e representantes de cooperativas de catadores, com os quais mantém diálogo permanente na busca por soluções que possam minimizar o impacto negativo da pandemia na vida dos catadores de recicláveis e população vulnerável de João Pessoa, Campina Grande e entorno.

Recentemente, foi firmado um termo de cooperação junto ao MPF entre a UEPB e a União-PB, seção estadual da União-BR, movimento voluntário da sociedade brasileira sem envolvimento político que visa fortalecer o combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus no Brasil. A referida parceria permite que catadores e grupos vulneráveis do Estado, acompanhados pela Central Única das Favelas (CUFA), Projeto Beira da Linha do Auto do Matheus, entre outros projetos, recebam doações de alimentos e equipamentos de proteção individual, além de outros itens de primeira necessidade. Neste sentido, compete à UEPB apoiar na logística da entrega, fornecendo caminhão e motoristas para entrega dos bens adquiridos e doados.

Estão sendo entregues pelo caminhão do projeto da UEPB 9 mil frascos de álcool em gel doados pelo grupo Boticário e 40 mil máscaras. Além disso, desde o início do período de isolamento, os catadores cadastrados no projeto têm recebido cestas básicas e kits de higiene pessoal, além de ter todo o assessoramento para a atualização de documentos necessários para a inclusão destes no auxílio aluguel da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), no valor de R$ 350 por família, e no Auxílio Emergencial do Governo Federal.

Foi lançada, ainda, pelo MPF da Paraíba, em parceria com o MST, a campanha Leite Fraterno, que ajuda 390 pequenos produtores e suas famílias a se manterem ao mesmo tempo em que permite a distribuição de leite para pessoas em situação de vulnerabilidade. Segundo a coordenadora do projeto, professora Fátima Araújo, é preciso acompanhar de perto e prestar assistência a essa parcela vulnerável da sociedade. “A fome não espera. Esse público passa por uma situação de isolamento não apenas social, mas de invisibilidade. E nosso papel é buscar soluções para que eles possam enfrentar essa dificuldade com a garantia dos recursos básicos”, explica a docente.

O projeto de extensão “Mobilização, inclusão e formação de catadores/as de materiais recicláveis da cidade de João Pessoa: uma experiência necessária” foi criado com o objetivo de dar apoio à formalização e organização das cooperativas, promover a alfabetização e o letramento e, assim, possibilitar melhores condições de vida para catadores de materiais recicláveis da Zona da Mata (João Pessoa, Bayeux e Santa Rita).

Além de ações de alfabetização, o projeto já realizou formações de empreendedorismo, consultoria jurídica, adquiriu Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), balanças, prensas, geladeira, fogão, carrinhos de coleta, um caminhão que auxilia na logística da atividade de cooperativas de catadores atendidas pela iniciativa, entre outros itens que visam proporcionar melhorias nas condições de trabalho e de vida destes catadores. As atividades do projeto são acompanhadas por docentes da UEPB e discentes do curso de Ciências Biológicas do Câmpus V vinculados ao componente curricular “Educação Ambiental”.

Texto: Juliana Marques
Fotos: Arquivo do projeto