PROEAD

PROEAD

Pró-Reitoria de Ensino Médio, Técnico e Educação a Distância

Professores debatem profissionalização e valorização docente durante 4º Seminário do PARFOR

18 de junho de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os desafios da profissionalização e valorização docente foi o tema que norteou as discussões do 4º Seminário do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR), realizado pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O evento reuniu centenas de professores das cidades de Campina Grande, Monteiro, Patos, Guarabira, São Mamede e Catolé do Rocha, que participaram das atividades vivenciadas no Centro de Convenções Raimundo Asfora, em Campina Grande, durante todo o sábado (16).

O evento foi organizado pela Pró-Reitoria de Ensino Médio, Técnico e Educação a Distância (PROEAD) que, além da palestra de abertura, também promoveu duas mesas temáticas, exposição de banneres, nove grupos de trabalho e ainda ginástica integrativa. O reitor da UEPB, professor Rangel Junior, deu as boas vindas aos participantes e propôs uma profunda reflexão sobre o tema do seminário, uma vez que, segundo ele, a formação e qualificação docente vêm enfrentando grandes desafios atualmente.

“Os desafios estão vinculados à boa formação técnica e política. Eles surgem todo o tempo e, por isso, precisamos nos comprometer em desenvolver consciência política nesse processo de formação educacional ao qual estamos vinculados. E quando eu falo em política não me refiro à que mete as mãos na lama, mas aquela que contribui para a mudança e que valoriza o trabalho docente”, destacou Rangel Junior.

Pró-reitora de Ensino Médio, Técnico e Educação a Distância, a professora Eliane Moura valorizou a realização do Seminário do PARFOR por reunir um grande número de professores que estão buscando qualificação e melhor desenvolvimento da Educação. Já Rochane Villarim, coordenadora geral do PARFOR, ressaltou o trabalho que vem sendo feito de formação dos docentes, focando em questões éticas, responsabilidade social e desenvolvimento do professor.

Também participaram da mesa de abertura do Seminário do PARFOR a professora Dóris Nóbrega Laurentino, que representou todos os coordenadores de área do PARFOR; a professora Eunice Ferreira, representando os coordenadores do PARFOR; e Ana Paula Lima Carneiro, aluna do curso de Pedagogia da Cidade de Catolé do Rocha, que representou todos os discentes envolvidos no projeto.

O professor no cenário da profissionalização e valorização da educação

O Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica propõe estudos propositivos, reflexões e compartilhamento de experiências pedagógicas e de produções científicas que contribuem para a qualificação docente para vencer os desafios da educação contemporânea e promover a valorização docente. Pensando nisso, o professor convidado para proferir a palestra de abertura do evento foi Antônio Lisboa Leitão, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), que apresentou várias reflexões sobre o tema ao longo de sua apresentação.

Além de fazer uma análise geral sobre o contexto da educação no mundo, o docente abordou as tentativas de fortalecimento do sistema educacional, as contradições do capitalismo na sociedade e sua aplicação na docência, além da necessidade do domínio do conhecimento para o desenvolvimento dos paradigmas do ensino. “Estamos vivenciando mais uma revolução industrial que está atrelada à necessidade de domínio do conhecimento. Esses avanços tecnológicos refletem no controle das matérias primas que possibilitam o controle do saber, que infelizmente não é acessível a todas as pessoas”, afirmou Lisboa.

O professor também apontou o papel do docente nesse cenário de valorização no contexto educacional, já que os desafios para redução do número de analfabetos persistem, como também o avanço para a universalização da educação básica e o ensino fundamental.

“Estamos na descendente desde os números relacionados à evasão escolar, no Ensino Médio principalmente, e isso tem um reflexo direto no impacto na vida social e econômica das pessoas”, acrescentou. Antônio Lisboa ainda apontou que o desestímulo à política educacional também tem a ver com a estrutura de diminuição do conhecimento, por não ser acessível a todas as pessoas, bem como instrumentação da estrutura do ensino.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti