PROEAD

PROEAD

Pró-Reitoria de Ensino Médio, Técnico e Educação a Distância

Diretora do Câmpus V da Universidade Estadual da Paraíba recebe Título de Cidadã Pessoense concedido pela CMJP

5 de dezembro de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Lutam melhor os que têm belos sonhos”. Essa frase de Che Guevara foi escolhida pela diretora do Câmpus V da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professora Jacqueline Echeverría Barrancos, para retratar sua trajetória de conquistas e superação de obstáculos, que culminou com a homenagem realizada pela Câmara de Vereadores de João Pessoa, na tarde desta terça-feira (4), ocasião em que a docente boliviana recebeu o Título de Cidadã Pessoense. A honraria foi proposta pela vereadora Sandra Marrocos.

A mesa de honra do evento contou com a participação da homenageada, professora Jacqueline Barrancos; do seu marido, Carlos Henrique de Andrade; da vereadora Sandra Marrocos; do diretor de Desenvolvimento Estudantil da Secretaria de Educação do Estado, Túlio Serrano; do diretor adjunto do CCBSA, Ênio Wocyli Dantas; do ex-diretor do CCBSA e representante dos docentes do Câmpus V, Francisco Jaime Mendonça Júnior; da técnica administrativa Sandra Maranhão; e do estudante do curso de Arquivologia, Paulo Henrique.

Sandra Marrocos destacou a importância do trabalho desenvolvido pela professora Jacqueline na área de educação em instituições privadas de João Pessoa e na UEPB. “Sou muito criteriosa na entrega de honrarias. Acho que não é qualquer pessoa que merece receber o Título de Cidadão Pessoense, mas professora Jacqueline é mais que merecedora, pois ela é construtora de um mundo justo, contribui com uma educação plural e democrática. Então me sinto muito honrada pela oportunidade de prestar essa homenagem”, destacou a parlamentar.

Na oportunidade, professora Jacqueline relembrou sua trajetória de vida, desde a infância na Bolívia, as alegrias e limitações enfrentadas para estudar, a superação de obstáculos e a consolidação pessoal e profissional no Brasil. Natural de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, Jacqueline Echeverría Barrancos vem de uma família de três irmãos, com o pai bancário e a mãe professora. Estudou por 12 anos no tradicional Colégio Santa Ana e cresceu inspirada pelo perfil empreendedor do irmão na área de negócios, o que a levou a investir em carreira na área de Administração. Em 1979, foi para Cochabamba estudar Administração na Universidad San Simón e acompanhar a irmã que fazia Bioquímica, mas, com o golpe militar de 1980, as universidades na Bolívia tiveram que fechar as portas.

A partir dessa época, candidatou-se a vagas em universidades brasileiras, oferecidas por intermédio de um intercâmbio cultural da Bolívia com o Brasil, que permitia a oferta de vagas em universidades do país para estudantes bolivianos. “Eu não conhecia nada do Brasil. Tinha apenas a imagem boa do país do futebol, um país bom, e ouvia falar das universidades, porque os engenheiros, médicos e demais profissionais que chegavam na Bolívia tinham se formado no Brasil. Então eu queria me candidatar a uma vaga na PUC ou Unicamp, porque era mais próximo da Bolívia. Nessa época, morei um período em Campinas, onde fiquei estudando português e tentando ingressar na universidade. Em janeiro de 1982, fui aprovada para cursar Administração na UFPB. Eu não conhecia a Paraíba, mas fiquei imensamente feliz por ter sido contemplada”, relembrou a professora Jacqueline.

No início de 1982, em companhia da irmã, Jacqueline desembarcou em João Pessoa, onde teve que enfrentar o maior desafio até então: a saudade da família. Porém, mesmo com a dificuldade de acostumar-se ao novo país, outra cultura e novos amigos, a jovem boliviana manteve-se firme no propósito de estudar e construir um novo capítulo em sua vida. Para tanto, contou com o carinho de professores e colegas da Universidade.

Ao finalizar a graduação, retornou à Bolívia, onde ingressou no Banco Central, seguindo os passos profissionais do pai. Mas uma desilusão amorosa e o convite do então coordenador da pós-graduação em Administração da UFPB a fizeram voltar à Paraíba para cursar o Mestrado em Administração. “No mestrado senti um impacto, achei difícil. Antes, na graduação, era muito carinho, muita amizade com os professores e colegas. No mestrado eram outros professores, muitos livros para ler, um grande volume de atividades. Pensei em desistir. Aí veio o coordenador para me motivar. Também fui amadurecendo, estudando. Continuei”, recorda Jacqueline.

Em 1986, por intermédio do namorado de uma amiga boliviana, conheceu o marido. “Ele disse na época que iria casar comigo. Coisa de jovem. E eu gostei dele porque achava ele muito alegre, gostava de ir para a praia, passear, então ele foi me conquistando. Tocava violão, cantava”, relembra Jacqueline. Em 1987 casou com o paraibano Carlos José de Andrade, com quem teve os dois filhos: Carlos Hernando e Scarlet Augusta, e seguiu a trajetória no Mestrado, que concluiu em 1990.

Rumos profissionais: a contribuição acadêmica no Estado da Paraíba

O início da carreira acadêmica da professora Jacqueline Barrancos foi na Unipê. Em pouco tempo foi convidada a atuar como docente na Asper. Em 2002, foi aprovada no concurso para atuar no curso de Administração do Câmpus I da UEPB, em Campina Grande. E, em 2003, resolveu fazer o Doutorado em Administração.

“Quando soube que ia abrir o Câmpus da UEPB em João Pessoa, me envolvi, procurei contribuir ao máximo na formulação do curso de Arquivologia e trabalhei muito vendo as emendas e auxiliando nessa fase inicial. Fiquei responsável por componentes curriculares de Administração do curso de Arquivologia e continuei ministrando componentes do curso de Administração do Câmpus I. Até que em 2006 aceitei o desafio de coordenar o curso e fiquei à disposição do Câmpus V. Também fui convidada a coordenar um MBA em Administração de Recursos Humanos. Em 2010, consegui meu remanejamento definitivo”, recorda Jacqueline.

A docente, que foi coordenadora do curso de Arquivologia no período da implantação do Câmpus de João Pessoa, acompanhou todo o processo de consolidação, busca por melhores condições estruturais e luta por um Câmpus próprio. Em 2015, foi homenageada pelas turmas concluintes do Centro de Ciências Biológicas e Sociais Aplicadas (CCBSA), tendo sido escolhida a Paraninfa Geral dos formandos do período letivo 2015/1. Ela também foi, por cinco anos, coordenadora do Curso de Administração Pública em EaD, vinculado à Pró-Reitoria de Ensino Médio, Técnico e Educação à Distância (PROEAD).

Em agosto de 2018, ocasião do aniversário de 12 anos do Câmpus V, a docente foi informada da homenagem que seria prestada pela Câmara de Vereadores de João Pessoa, por propositura da vereadora Sandra Marrocos. A docente destacou a emoção de receber tal condecoração, o que a fez reviver toda a trajetória ao longo dos anos na Paraíba.

“Foi uma surpresa e me emocionou, porque passou pela minha cabeça todo um filme do momento que eu tive que sair da Bolívia, deixar minhas raízes e fui acolhida aqui. É uma demonstração de que meu trabalho extrapolou os muros da Universidade e impactou de forma positiva as pessoas que passaram por mim. Eu me considero já uma brasileira, sou naturalizada. Eu sempre penso na minha cidade, mas não consigo viver longe daqui. Meu coração é dividido”, concluiu Jacqueline.

Texto: Juliana Marques
Fotos: Paizinha Lemos